LEIA A MENSAGEM DE BRUNO DE CARVALHO NA AG DOS LEÕES «EU ERREI»

Caras e Caros Sportinguistas,

Tinha eu 6 anos, quando o meu pai me levou ao antigo Estádio José Alvalade. Quando volto àquele momento da minha infância, ainda sinto como o meu coração bateu acelerado, e a clareza com que soube, que ali, estava a missão e o sonho da minha vida: ser presidente do Sporting Clube de Portugal.

 

Os anos foram passando e o que ali descobri, foi-se estruturando e transformando em sentido de missão e responsabilidade.

 

Preparei-me. Vivi o nosso Clube de todas as formas: adepto, sócio, no estádio e nos pavilhões. Criei a Fundação Aragão Pinto, formei-me em gestão, fiz o mestrado em gestão de organizações desportivas, tirei o curso de treinador. Em 2011, formei uma equipa e candidatei-me à presidência do Sporting Clube de Portugal.

 

Com muito pesar, não foi ali que pudemos dar o primeiro passo em direção àquela que seria a nossa missão, devolver o Sporting aos Sportinguistas. Resilientes, não baixámos armas. E apesar de termos de esperar, e assistir à pior situação financeira e desportiva de sempre no nosso Clube, recandidatámo-nos em 2013 e assim começou a nobre missão para a qual todos vocês confiaram em mim, e na minha equipa.

 

Em cinco anos, fomos capazes de transformar o Sporting. E é um facto que em 2018, deixámos o nosso Clube muito mais forte do que o encontrámos.

 

Revitalizámo-lo. Trabalhámos na sua recuperação económica, financeira e desportiva, pagando dívidas e salários em atraso, recoperando passes de jogadores, devolvendo aos Sportinguistas as modalidades que fazem parte do nosso ADN. Construímos património, tornámos o nosso Clube mais eclético e ganhador, aumentámos exponencialmente o número de associados, lutámos por um futebol português mais verdadeiro e transparente.

 

Voltámos a recuperar o respeito internacional, e, o mais importante, devolvemos aos sócios e adeptos o orgulho de ser Sportinguista.

 

Todos conhecem a obra que deixámos feita:

 

- O pavilhão João Rocha;

 

- Os sócio e regresso num minuto;

 

- A unificação da Curva Sul;

 

- O nº 12 só para os adeptos;

 

- A Gala Honoris Sporting;

 

- O Congresso The Future of Football;

 

- Fomos a única Direcção, nestas últimas décadas

 

apresentou resultados financeiros positivos, no Clube e SAD;

 

- Negociámos o maior contrato de direitos televisivos de sempre de um Clube português;

 

- Executámos e negociámos uma reestruturação financeira elogiada em todos os quadrantes;

 

- Realizámos juntos com todos os Sportinguistas a

 

construção da Cidade Sporting – pavilhão, 3 campos de futebol e a Rotunda;

 

- Passámos de 35 para 55 modalidades, trazendo de volta modalidades históricas do Clube como o Hóquei em Patins e o Volleyball;

 

- 2018 foi o ano com mais títulos, europeus e nacionais, conquistados na história de um Clube português;

 

 

E tantos outros feitos que juntos alcançámos...

 

Cinco anos e meio depois, estamos numa Assembleia Geral, que será determinante para começar a sarar feridas entre Sportinguistas, e trazer justiça a dirigentes que tanto deram por este Clube, elevando os patamares de exigência, atitude e compromisso.

 

 

 

A todos vós, ilustres Sportinguistas, agradeço do fundo do meu coração a presença nesta assembleia.

 

Hoje os sócios do Sporting Clube de Portugal são chamados a dizerem SIM ou NÃO ao levantamento da pena de suspensão com que fui punido, juntamente com dirigentes

 

que estiveram comigo até ao fim, no Conselho Diretivo a que tive a honra de presidir, entre março de 2013 e junho de 2018.

 

Travámos imensas batalhas e mexemos em muitos interesses. Desde o início do mandato percebemos que existiam duas possibilidades de caminho de gestão: juntarmo-nos aos interesses, ou juntarmo-nos à maioria dos sócios...

 

Estivemos sempre do vosso lado, ao lado dos sócios.

 

Apelámos à militância e à união, pois só assim, os interesses do clube prevaleceriam. Hoje sinto, que os sócios que em mim depositaram a sua leal confiança para erguer o Sporting, não me viraram as costas. Mas sim, subestimaram o poder de manipulação da comunicação social e distraíram-se. Eles aproveitaram-se disso, e tem sido fulminante.

 

Tenho um grande orgulho no trabalho que eu e a minha equipa desenvolvemos, mas neste caminho de transformação do Sporting, nem tudo foi perfeito: EU ERREI.

 

Cometi o erro de ter sido voluntarista na defesa dos Foi uma defesa cega e

 

intransigente, confesso. De tal forma que dei à comunidade sportinguista a ideia de que estaria agarrado ao poder quando a única coisa a que estava realmente agarrado era à incondicional defesa do nosso Sporting.

 

Da nossa família. Porque é assim que defendemos a família.

 

Cegos de convicção, e com as melhores intenções.

 

Percebo hoje, que aquele caminho que eu achava ser o certo, em alguns momentos não abonou a nossa família.

 

Posso dizer-vos também que APRENDI.

 

Hoje, olho para trás e vejo claramente como estava enganado. Por isso, mesmo sabendo que sempre defendi os superiores interesses do Sporting Cube de Portugal, fiz mal, e por essa razão peço desculpa a todos os Sportinguistas!

 

Nenhum sportinguista merece o sofrimento que temos passado. Nós merecemos ser felizes.

 

No dia negro da invasão à Academia de Alcochete, para mim teria sido muito mais fácil defender os meus interesses:

 

pedia a demissão, íamos a eleições e hoje quem sabe, ainda seria presidente e tudo seria diferente. Era simples.

 

Acontece que, naquele momento, algo em mim se recusou a acreditar no sucedido e fiquei sem reação – ocorrendo-me apenas não desistir de defender o Sporting na presidência, levando adiante o empréstimo obrigacionista já aprovado e em curso, e a renegociação da restruturação financeira, procurando assim, minimizar as consequências provocadas pelo crime ocorrido em Alcochete.

 

Num momento de fragilidade no nosso Clube, devido aos acontecimentos trágicos já referidos, a demissão pública de dois órgãos sociais (da Mesa da Assembleia Geral e do Conselho Fiscal e Disciplinar) veio fragilizar ainda mais a nossa situação. Apesar dos vários pedidos do Conselho Diretivo, estes órgãos sociais negaram sempre proceder conforme os estatutos: um pela não marcação das Assembleias Gerais (de aprovação de orçamento e eleitoral para os órgãos demissionários) e outro, pela não realização do parecer sobre o orçamento.

 

Perante esta situação, o Conselho Diretivo deliberou a delegação da competência a uma comissão transitória da Mesa da Assembleia Geral por forma a realizar as duas Assembleias. Decisão essa suportada juridicamente pelo artigo 173 do Código Civil e na Jurisprudência dominante, nomeadamente do Supremo Tribunal de Justiça.

 

Acabei imolado em praça pública por alguns órgãos de comunicação social sem ética, sem escrúpulos e sem vergonha, que não olham a meios para alcançar os fins, que nem a minha família preservou nesta chacina mediática sem precedentes em Portugal.

 

Nesta semana importante para a promoção da paz e da tolerância no Sporting Clube de Portugal, voltei a sofrer ataques ferozes, movidos pelo intuito de manipular ainda mais o discernimento dos sócios do nosso Clube. Mas estou certo que os Sportinguistas não se deixaram enganar!... Não vou reagir. Nem alimentar as suposições maldosas e as mentiras que escreveram e re-escreveram. Recuso-me a alimentar os seus cofres com capas de jornais e revistas! Não lhes darei o que eles querem!

 

Deixem o Sporting e os Sportinguistas em paz!

 

Com a consciência tranquila relativamente a tudo o que fiz no nosso Clube, ainda acredito que, no final, a competência e a independência da justiça portuguesa acabarão por esclarecer tudo, e desmascarar o que realmente aconteceu.

 

Por fim, dizer a todos os sócios e adeptos do Sporting Clube de Portugal que hoje apresento-me aqui na voz da minha irmã, não porque não quisesse estar presente. É com a família que queremos sempre estar, e todos vocês continuam a ser parte integrante da minha. A minha ausência representa o respeito pelo Sporting. O respeito por esta Assembleia Geral.

 

A minha presença, que me é um direito adquirido enquanto sócio, infelizmente iria dar aos órgãos de comunicação social, que diariamente me chacinam, motivo para desviar a atenção do assunto principal desta Assembleia devolver aos sócios suspensos o direito de voltarem a ser Sportinguistas em pleno!

 

Eu, continuo a ser o mesmo homem que fez do Sporting Clube de Portugal um Clube mais forte e que mereceu a vossa aprovação esmagadora nas eleições de 2017! Que lutou pelo nosso Clube com a força de um Leão durante cinco anos e meio!

 

Quando hoje, forem chamados a votar, peço, humildemente, a todos os Sportinguistas que pensem nesse homem, e no melhor dos cincos anos de trabalho e dedicação que entreguei com afinco e paixão ao nosso Clube. Pensei no Bruno de 6 anos que da forma mais genuína fez do Sporting a sua missão.

 

Vocês merecem ser felizes! Nós merecemos ser felizes.

 

E no que depender de mim, irei sempre pugnar por um Sporting dos sócios e para os sócios!

 

Por um Sporting Clube de Portugal forte, independente e competitivo!

 

Viva o Sporting Clube de Portugal.»

 

Seja o primeiro a comentar este vídeo.

Artigos relacionados